A Importância da Cessação Tabágica - Artigo de Opinião . CMM
A Importância da Cessação Tabágica - Artigo de Opinião

A Importância da Cessação Tabágica - Artigo de Opinião

O consumo de tabaco é um prolema de saúde pública. Mata cerca de 6 milhões de pessoas todos os anos e matará mais de 8 milhões por ano, até 2030. Tem impacto na saúde, a nível social e económico. É responsável por sofrimento, doença e morte, empobrecendo as famílias e as economias nacionais. Desta forma, o controlo do consumo do tabaco é um dos meios mais eficazes para ajudar a atingir uma meta, proposta pela Organização Mundial de Saúde, de redução, até 2030, de um terço de mortes prematuras, incluindo doenças cardiovasculares, cancros e doença pulmonar obstrutiva crónica.

O tabaco é responsável por 90% das neoplasias do pulmão, 75% dos casos de bronquite e enfisema e 25% dos casos de isquemia do miocárdio. Está associado a maior risco de cancro da bexiga, boca, língua e laringe, e é uma das causas de disfunção erétil. Em média cada cigarro tira 5,5 minutos de vida.
O tabaco durante a gravidez é responsável por baixo peso do recém-nascido, risco aumentado de aborto espontâneo, partos prematuros, hemorragia pós-parto, risco aumentado de doença e hospitalização.

As crianças filhas de pais fumadores têm problemas respiratórios e do ouvido médio com maior frequência e agravamento das crises de asma, no caso de sofrerem desta doença.

Existem várias estratégias de prevenção e controlo do consumo de tabaco, nomeadamente, medidas de enquadramento político, medidas legais e regulamentares, como o aumento do preço do tabaco, o controlo da publicidade e a cessação tabágica.

A cessação tabágica não é mais que a interrupção do consumo. No entanto, deixar de fumar é difícil para muitos fumadores. Existem hoje medidas efetivas de apoio farmacológico e comportamental que importa disseminar no contexto dos serviços de saúde. O aconselhamento breve por parte dos médicos tem resultados não negligenciáveis nas taxas de abandono deste hábito (cerca de 10% a 20%/ ano). Será assim de reforçar a formação dos profissionais de saúde para este tipo de intervenção.

Relativamente aos benefícios da cessação tabágica, podem ser divididos em:
- Efeitos benéficos imediatos: 8h – monóxido de carbono baixa e oxigénio aumenta, 72h —a capacidade pulmonar melhora e a respiração é mais fácil, gradualmente verifica-se diminuição da tosse, melhoria do paladar, do olfacto, hálito, e diariamente poupa dinheiro;
- Efeitos benéficos a médio prazo: melhoria da saúde oral, melhoria das rugas da pele, diminuição do risco de doenças respiratórias e cardiovasculares, diminuição do risco de morte prematura; fumadores que abandonam o hábito antes dos 50 anos, diminuem 50% o risco de morrerem nos próximos 15 anos; após 1 ano de abstinência, o risco de doença cardiovascular reduz-se para metade do verificado nos fumadores; após 15 anos de abstinência o risco de doença cardiovascular é igual ao de um não fumador; após 5 a 15 anos de abstinência o risco de Acidente Vascular Cerebral iguala o dos não fumadores.

Assim, Parabéns aos ex-fumadores e aos que estão a tentar deixar de fumar. A sua saúde e a saúde dos que o rodeiam certamente ganharão!

Aos fumadores, tendo em consideração tudo que foi dito anteriormente, não restam dúvidas que os benefícios são claros. A motivação é o 1º passo. Faça uma lista dos motivos que, para si, justificam a sua decisão de deixar de fumar e peça ajuda ao seu médico assistente. Deixar de fumar não é fácil, mas é possível. E mais, se recair, lembre-se que a recaída faz parte de qualquer processo de mudança e a solução passa por voltar a tentar.

Dra. Ana Raquel Machado - Médica no CMM Guimarães

13 de Fevereiro de 2018